FONTES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DAS ARTES E HUMANIDADES

Horário: 8 sessões (25 Horas) de 05 de março a 30 de abril de 2016 (sábados) | Fim de semana (15h00 > 18h00/ 18h30)

Créditos: 1 UC (CCPFC) Professores dos Grupos 240 e 600

Formadora: Isabel Barroso

Licenciada em Tradução Inglês / Francês. Pós-Graduação em Ciências Documentais e Mestrado em Ciência da Informação – área de especialização: Bibliotecas Digitais. É Coordenadora do Serviço de Documentação e Informação da FBAUP e do Serviço de Formação Contínua. Docente, desde 2004, na Universidade Fernando Pessoa do curso de licenciatura e mestrado em ciência da informação e documentação. Formadora certificada pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua, na área das tecnologias educativas (informática / aplicação da informática) e organização de bibliotecas escolares.

Propinas:
Estudantes, Docentes e Funcionários UP/FBAUP: 2 prestações de 55,00 Euros |
Público em Geral: 2 prestações de 62,50 Euros |
Seguro escolar: 2,00 Euros |

INSCRIÇÕES ATÉ 18 DE FEVEREIRO DE 2016

Candidaturas e Inscrição

Para candidatar-se, selecione a opção INSCRIÇÕES ONLINE

Objetivos:

Esta formação tem por objetivo dar competências e conhecimento na área de metodologia de investigação científica, por forma a munir os formandos da informação necessária para saberem organizar uma tese, no que respeita a sua estrutura (capa, margens, sumário, etc.) e conhecerem as regras de transcrição e de citação a utilizar na elaboração de referências bibliográficas; perceber como proceder a uma pesquisa cuidada de artigos científicos, indexados em bases de dados temáticas e de referência, no âmbito das artes e humanidades e utilização de software específico para a gestão e organização de referências bibliográficas.

Objetivos específicos:

1. Munir os formandos da informação necessária para procederem à organização da tese, no que respeita a sua estrutura (capa, margens, sumário, etc.) e conhecerem as regras de transcrição e de citação a utilizar na elaboração de referências bibliográficas.

2. Dotar os formandos de conhecimentos e competências que se traduzam na pesquisa cuidada de artigos científicos, indexados em bases de dados temáticas e de referência, no âmbito das artes e humanidades. No final da formação o formando deverá conseguir aceder aos recursos eletrónicos disponibilizados pela Universidade do Porto; recuperar informação utilizando os operadores booleanos; proceder ao download de artigos científicos online e criar alertas.

3. O Endnote é uma ferramenta essencial na gestão de referências bibliográficas, permitindo organizar e garantir a normalização na apresentação da informação. O formando deverá no final da formação conseguir inserir uma referência bibliográfica de acordo com as várias tipologias, inserir citações num documento de texto, organizar, formatar e definir estilos para a bibliografia.

Programa:

PARTE I
ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TESES: ESTRUTURA, REGRAS DE TRANSCRIÇÃO E DE CITAÇÃO (7 HORAS)

a) ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TESES

  • Elementos a constar da capa
  • Margens
  • Página de rosto
  • Ordenação do sumário
  • Lista de ilustração e tabelas
  • Lista de abreviaturas e símbolos

b) REGRAS DE TRANSCRIÇÃO E CITAÇÃO

  • Normalização
  • Regras gerais de transcrição
  • Regras para citações bibliográficas
  • Apresentação das listas de referências bibliográficas

c) EXEMPLOS PRÁTICOS

PARTE II
PESQUISA EM BASES DE DADOS NO ÂMBITO DAS ARTES E DAS HUMANIDADES (8 HORAS)

a) ACESSO E ORIGEM DOS RECURSOS ELETRÓNICOS
b) BASES DE DADOS BIBLIOGRÁFICAS E EM TEXTO INTEGRAL
c) RECURSOS DE ACESSO LIVRE
d) MODALIDADES DE PESQUISA

  • Operadores booleanos e truncatura
  • Pesquisa simples / pesquisa avançada / histórico de pesquisa / refinar pesquisa

e) EXPORTAÇÃO DE DADOS
f) CRIAÇÃO DE ALERTAS
g) BASES DE DADOS

  • Academic Search Complete
  • Web of Science
  • Scopus

h) BASES DE DADOS DE TESES E DISSERTAÇÕES E REPOSITÓRIOS

  • Proquest Dissertations & Thesis
  • RCAAP
  • Repositório Aberto

i) EJOURNALS

  • Oxford University Press
  • Taylor & Francis
  • Wiley – Blackwell

j) EXERCÍCIOS PRÁTICOS

PARTE III
ENDNOTE: GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (BÁSICO) (10 HORAS)

a) CRIAR UMA BIBLIOTECA DE ENDNOTE

  • O que é o EndNote?
  • Funcionalidades
  • Criar uma biblioteca em EndNote
  • Abrir uma biblioteca de exemplo
  • Ordenar e imprimir referências
  • Navegar na biblioteca de EndNote

b) SELECIONAR AS PREFERÊNCIAS NO ENDNOTE

  • Display fields (formato de visualização)
  • Reference types (tipos de referência)

c) INTRODUZIR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Inserir novas referências
  • Inserir imagens
  • Inserir objetos
  • Exercícios práticos

d) PESQUISAR NUMA BIBLIOTECA DE ENDNOTE

  • Pesquisar um conjunto de referências
  • Criar grupos para organizar referências

e) PESQUISAR EM BASES DE DADOS ONLINE

  • Selecionar um formato de pesquisa
  • Pesquisar uma base de dados
  • Rever referências bibliográficas
  • Detetar duplicados
  • Pesquisar artigos em texto integral
  • Exercícios práticos

f) IMPORTAR E EXPORTAR REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PARA UMA BIBLIOTECA DE ENDNOTE

  • Importar registos de uma base de dados
  • Catálogo bibliográfico da FBAUP
  • Exportar registos a partir de bases de dados online
    • Web of Science
    • Scopus
    • EBSCO

g) UTILIZAR O ENDNOTE ENQUANTO REDIGE UM TEXTO EM WORD (CWYW)

  • Inserir referências no EndNote
  • Selecionar um estilo para a bibliografia
  • Editar citações
  • Criar um documento Word a partir de um modelo
  • Criar bibliografias temáticas
  • Comprimir bibliotecas em EndNote

——————

INFORMAÇÕES

Pagamento:

Prestação 1: até ao dia 20 de fevereiro de 2016.

Prestação 2: até ao dia 08 de abril de 2016.

Número máximo de participantes: 25 (vinte e cinco)

A SERIAÇÃO DOS CANDIDATOS É FEITA PELA ORDEM DE VALIDAÇÃO DAS INSCRIÇÕES.

Metodologias de realização da acção
As aulas terão uma componente teórica onde será utilizado o método expositivo de modo a transmitir oralmente e através de suporte informático, informação e conhecimento de uma forma contínua; A este método acrescentar-se-à o método demonstrativo através de exemplos práticos do quotidiano e simulações e o interrogativo de modo a aferir os conhecimentos adquiridos pelos formandos ao longo da formação, tendo como principal objectivo enquadrar o formando na área de utilização.

O modelo de avaliação inclui uma avaliação individual mediante a realização de um teste final e uma avaliação contínua, contando com os exercícios realizados no decurso da formação.

Regime de avaliação dos formandos
Avaliação individual (teste final) 70%
Exercícios práticos 30%

O referencial da escala de avaliação será previsto no nº 2 do artigo 46º do Estatuto da carreira Docente, aprovado pelo Decretolei
nº 15/2007, de 19 de Janeiro:

Excelente – de 9 a 10 valores
Muito Bom – de 8 a 8,9 valores
Bom – de 6,5 a 7,9 valores
Regular – de 5 a 6,4 valores
Insuficiente – de 1 a 4,9 valores

Não serão certificados formandos cuja participação seja inferior a dois terços da duração do curso de formação, conforme o entendimento do Conselho Científico da formação Contínua, descrito no ponto nº 2 da Carta Circular CCPFC 1/2007.

Anúncios

One Comment

Os comentários estão fechados.