DESENHO, AÇÕES, GESTOS

DESENHO, AÇÕES, GESTOS

Horário: 12 sessões (36h) | de 11 de maio  a 27 de julho de 2019 (sábado) |  09h30 > 12h30

Créditos: 4 créditos ECTS (European Credit Transfer System – relevante para estudantes de curso de 1.º ciclo do Ensino Superior)

Formadores: José Costa e Tiago Madaleno

Supervisão Científica: Professor Doutor Paulo Almeida

José Costa
Concluiu em 2016 o mestrado em Pintura na Faculdade de Belas Artes da U.Porto com 17 valores.
Teve a seu cargo a direção e curadoria do projeto Galeria Painel: um ciclo de 11 exposições realizadas no decorrer de uma parceria entre a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), entre 2015 e 2016. Desde 2017, é responsável por visitas orientadas, dossiers educativos e conceção e realização de oficinas educativas no Serviço Educativo do Museu de Serralves. Das exposições realizadas destacam-se:
– Exposição Individual ” fora com um dentro dentro” na Mupi Gallery, Porto, 2017;
– Exposição Individual (defesa de Mestrado) “ um pensamento com duas pernas”  na Painel, 2016;
– Exposição Coletiva “, (vírgula)” na Painel, Porto, 2016;
– Exposição Coletiva “E como estrelas/ duplas/ consanguíneas, luzimos de um para o outro/ nas trevas” (com Joana Gomes) na Casa do Vinho de Barcelos, 2016;
– Exposição Coletiva “CUBICULUM MIRABILIA” (com Tiago Madaleno) no Museu Geológico de Lisboa, 2016;
– Exposição Colectiva “Complexion I” no Laboratório das Artes, 2015;
– Exposição Colectiva “Reunião” no Palacete Pinto Leite, 2015;
– Exposição Colectiva “É tudo tão ______. E agora?” no Museu da FBAUP, 2014.

http://josegcosta.tumblr.com/

Tiago Madaleno
Concluiu o Mestrado em Pintura em 2016 na Faculdade de Belas Artes da U.Porto com 19 valores.
Das atividades científicas e publicações produzidas até à data destacam-se:
– O desenvolvimento do relatório de projeto “Clepsidra – Imagem, Documento e Acção” (2016);
– Direção e curadoria do projeto Galeria Painel: um ciclo de 11 exposições realizadas no decorrer de uma parceria entre a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP) e o Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP);
“Clepsidra – Imagem, Documento e Acção”, (2016) Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto;
“Do Sopro para o Caule – ou como trazer as acções para as imagens”, publicado no livro “Sobre Pintura” (edição Sofia Ponte) a propósito do 1º Congresso Europeu de Pintura Contemporânea, Porto (2017).
Foi vencedor do prémio de Fotografia Serralves – Novo Banco Revelação 2017 e distinguido com o Prémio Viana de Lima/Câmara Municipal de Esposende destinado ao melhor estudante do Mestrado do Ramo Pintura da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto no ano letivo de 2014/2016. Foi também distinguido com o Certificado de Mérito por ter obtido a melhor média do Curso no 1º Ciclo em Artes Plásticas (17 valores) no ano letivo de 2013/2014.
Participou nas seguintes exposições:
Individuais:
2017 – Clepsidra, Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto;
– 2016 – Clepsidra – Imagem, Documento e Acção (exposição de Mestrado), Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto;
– 2016 – Do Sopro para o Caule, Lugar do Desenho, Fundação Júlio Resende, Gondomar;
Coletivas:
2016 – “,” (vírgula), Galeria Painel, Porto (catálogo);
2016 – Cubiculum Mirabilia (trabalho em parceria com José Costa), Museu Geológico de Portugal, Lisboa;
2016 – Complexion I, Laboratório das Artes, Guimarães;
2015 – Reunião, Palacete Pinto Leite, Porto;
2014 – É tudo tão ____________. E agora?, Museu da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto;
2014 – Pausa, Edifício AXA, Avenida dos Aliados, Porto (catálogo);
2014 – Pintura e(m) processo, Fórum da Maia, Maia;
2014 – Projeções 2014, Lugar do Desenho, Fundação Júlio Resende, Gondomar.

http://cargocollective.com/tiagomadaleno

Destinatários:
Estudantes de Belas Artes e Arquitetura.
Formandos das unidades de formação de Desenho promovidas pelo Gabinete de Formação Contínua da FBAUP.
Público em geral, preferencialmente da área das Artes Visuais.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EFETUAR CANDIDATURA: CERTIFICADO DE HABILITAÇÕES LITERÁRIAS.

Propinas (VER CONDIÇÕES DE PAGAMENTO):
Estudantes, Docentes e Funcionários da FBAUP/ UP:
3 prestações de 65,00 Euros (cada) |
Público em Geral: 3 prestações de 80,00 Euros (cada) |
Seguro escolar: 2,00 Euros |

INSCRIÇÕES ATÉ 30 DE ABRIL DE 2019

Inscrição: selecione a opção INSCRIÇÕES ONLINE

Objetivos:
– Compreender as dimensões dos gestos no desenho e sua inserção num contexto de performatividade, nomeadamente quais os seus contributos para a perceção temporal de uma ação.
– Explorar o potencial criativo inerente à transferência de ações do campo do desenho para outros campos performativos.
– Desenvolver ferramentas críticas e experimentais que considerem o desenho e a imagem, como um ato performativo na arte contemporânea.
– Desenvolver, mediante seminários e oficinas, núcleos teóricos e exercícios práticos que apresentem metodologias criativas para pensar e usar o desenho na sua dimensão performativa.
– Desenvolver experiências de trabalho colaborativo na área do desenho.

Conteúdos Programáticos

1.º núcleo: Das ações ao desenho
Trazer os gestos para as imagens
– Desenho, perceção e ação. Representar e substituir. Discussão em torno de casos paradigmáticos.
– O potencial criativo dos gestos do quotidiano quando aplicados ao desenho
– Exercício prático.

Um mapa de gestos
– A notação da ação. Apresentação e discussão de casos paradigmáticos.
– Mapear o tempo e os gestos
– A relação entre o corpo, o suporte do desenho e o espaço
– Exercício prático

2.º núcleo: Do desenho à ação
O desenho de instrução
– O desenho como instrução.
– A instrução aplicada ao desenho
– A instrução enquanto jogo de sentido
– Exercício prático

Pensar a instrução
– De Allan Kaprow ao projeto Do It (Hans Ulrich Obrist, 2013).
– A instrução como ferramenta de articular e conceptualizar contextos performativos
– Possibilidades e limites da instrução
– Exercício prático em dupla

3.º núcleo: O tempo no gesto
Recontar um acontecimento
– Allan Kaprow e o rumor calculado
– Recontar um evento (Parte 1): Francis Alys e Joseph Beuys
– Exercício em dupla.

O desenho como testemunho
– A relação entre documento e o que é documentado
– Recontar um evento utilizando o desenho (Parte 2)
– Exercício prático

O diário
– O diário como ferramenta; o diário como arquivo de imagens e ideias
– Recontar um evento utilizando o arquivo (Parte 1)
– Exercício prático

As possibilidades narrativas do arquivo
– O arquivo expandido (as narrativas dos objetos, câmara como esferográfica)
– Recontar um evento utilizando o arquivo (Parte 2)
– Exercício prático

4º núcleo: Projeto Livre
Projeto livre
(proposta de trabalho escolhendo um dos assuntos abordados)
– Exercício prático
Projeto livre
(proposta de trabalho escolhendo um dos assuntos abordados)
– Exercício prático

Avaliação
Mostra dos trabalhos: partilha e discussão

Materiais (necessidades a colmatar pelos participantes):

– Rolo papel de cenário
– 40 Folhas de papel A2
– Lápis de grafite HB, 2B, 5B
– Caderno-diário

Outros meios riscadores (opcional)
– Carvão (vegetal ou sintético)
– Sanguínea
– Marcador
– Esferográfica
– Etc.

Outros suportes (opcional)
– Outros tipos de papel (vegetal, engenharia, com cor)
– Tela
– Cartão
– Etc.

Imagem: (c)  José Costa eTiago Madaleno

Informações

Modo de pagamento:

Prestação 1 e seguro escolar: pagos no ato da inscrição. SEM ESTE PAGAMENTO A INSCRIÇÃO NÃO É CONSIDERADA.

Prestações 2 e 3: pagas até aos dias 8 de junho e 8 de julho de 2019

Depois do dia 8, os valores lançados estão sujeitos a aplicação de JUROS DE MORA.

O pagamento das prestações 2 e 3 pode ser feito:
a) pessoalmente, na Tesouraria FBAUP (de segunda a sexta-feira, 09h30>12h00 | 14h00>16h00);
b) remotamente, através de referência MB (que deverá ser gerada pelo próprio utilizador na sua conta corrente).

Para os formandos que optarem pelo modo de pagamento PARCELADO, é obrigatória a entrega da DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO DE PAGAMENTO após inscrição. SEM ESTE DOCUMENTO NÃO É POSSÍVEL PARTICIPAR NA UNIDADE.

Número mínimo de participantes: 10 (DEZ)
Número máximo de participantes: 15 (QUINZE)

A SERIAÇÃO DOS CANDIDATOS É FEITA PELA ORDEM DE VALIDAÇÃO DAS INSCRIÇÕES.

POR QUESTÕES DE LOGÍSTICA, NÃO SERÁ PERMITIDO AOS PARTICIPANTES PERMANECER NAS INSTALAÇÕES DA FACULDADE APÓS O FINAL DA SESSÃO. SOLICITA-SE, POR ISSO, QUE  SE TOMEM AS DEVIDAS PROVIDÊNCIAS PARA QUE QUESTÕES DE LIMPEZA E MANUTENÇÃO DE MATERIAIS FIQUEM RESOLVIDAS ATEMPADAMENTE A FIM DE SE OBSERVAR ESTA CONDIÇÃO.

Método de avaliação:
A avaliação será distribuída, sem exame final. Os participantes serão avaliados segundo três critérios:
– Por sua capacidade reflexiva (o formando tem de ser capaz de aplicar e pensar criticamente os conteúdos teóricos debatidos na aula);
– Por sua capacidade de comunicação (o formando tem de ser capaz de apresentar e debater de forma fundamentada e coerente o trabalho desenvolvido);
– Por suas capacidades técnicas (o formando tem que demonstrar competências para resolver os exercícios propostos, revelando espírito crítico e capacidade de experimentação. O formando tem também que mostrar domínio das competências técnicas utilizadas na criação, exposição e documentação do seu trabalho.)

Critérios de avaliação e percentagens associadas:
A avaliação será contínua e estruturada segundo uma escala de 20 valores (0 a 20). Será baseada no:
– Trabalho individual desenvolvido (sentido crítico, aplicabilidade dos conteúdos teóricos, capacidade reflexiva e capacidade de adaptar a sua habilidade técnica na resolução dos exercícios propostos.) (50%)
– Participação/motivação (observada no decorrer das sessões) (35%)
– Assiduidade (Participação presencial) (15%)

A aprovação do formando, a verificar-se, é feita numa escala positiva de 10 a 20 (conforme consta do Regulamento de Criação, Acreditação Interna e Creditação dos Cursos de Formação na Área de Educação Contínua da UP).

A não aprovação dos formandos pode resultar de:

  1. Assiduidade inferior a 75% do número de horas presenciais;
  2. A não apresentação do trabalho individual/ portefólio;
  3. Um valor médio de desempenho inferior a 50%.

Para efeito de confirmação de falta será considerada uma tolerância de 15 minutos.

Os formandos que reprovarem por falta de assiduidade só serão considerados para unidades de formação futuras caso haja vagas sobrantes.

Certificação:
Aos  participantes será emitido:

– um certificado de formação contínua com avaliação (classificação quantitativa) e créditos.

A prova de habilitação académica superior, quando solicitada, é da exclusiva responsabilidade do candidato e tem de ser apresentada até data anterior ao início do curso.

O pedido de emissão de certificado é feito por escrito para formcontinua@fba.up.pt, no final da unidade de formação, após tomada de conhecimento da avaliação,  e  a emissão está sujeita a pagamento de emolumentos no valor representado na tabela em vigor.

BIBLIOGRAFIA (DOCUMENTAÇÃO DE APOIO):

ALMEIDA, Paulo Luís Ferreira de (2008), A dimensão performativa da prática pictórica: análise dos mecanismos de transferência de uso entre distintos campos performativos, Facultad de Bellas Artes de la Universidad del País Vasco, Bilbao
BIAL, Henry (ed.) (2004). The Performance Studies Reader. London and New York: Routledge.
BUTLER, Cornelia H. (ed.) (1999), After Image: Drawing Through Process (cat. exp.), Museum of Contemporary Art, Los Angeles: MOCA
CENTRE POMPIDOU (2003), Sophie Calle: m’as-tu vue (cat. exp.), coordenação de Xavier Barral, editions du Centre Pompidou, Paris
DEAN, Tacita (2005), Place (coleção Artworks), coordenação Tacita Dean e Jeremy Millar, Thames and Hudson, London
DIDI-HUBERMAN, Georges (2011), Atlas: como llevar el mundo a cuestas?, Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madrid
DIDI-HUBERMAN, Georges (2013) Atlas ou a Gaia Ciência inquieta: o olho da História, KKYM/Escola de Arquitetura, Universidade do Minho, Lisboa
GOLDBERG, Roselee (2007), A arte da performance – do Futurismo ao Presente, Orfeu Negro, Lisboa
GOMBRICH, E.H. (1988), Meditaciones sobre un caballo de juguete – y otros ensayos sobre la teoria del arte, Editorial Debate, Madrid
GUGGENHEIM MUSEUM (2002), Matthew Barney: The Cremaster cycle (cat. exp.), Guggenheim Museum, New York
HAMMER MUSEUM (2008), Politics of Rehearsal – Francis Alys (cat. exp.), coordenação de Russell Ferguson e Francis Alys, Hammer Museum, Steidl
HOFFMANN, Jens (2005), Perform (coleção Artworks), coordenação Jens Hoffmann e Joan Jonas, Thames and Hudson, London
INDEPENDENTE CURATORS INTERNATIONAL (2013), Do it: the compendium, Independente Curators International, New York
LOOCK, Ulrich (2004), A obra de arte sobre fogo: inovações artísticas 1965-1975, Fundação Serralves, 2004
KAPROW, Allan (1996), Essays on the Blurring of Art and Life, University of California Press, Berkeley and Los Angeles
MUSÉE DE MARSEILLE (1998), Trisha Brown: dance, prècis de liberté (cat. exp.), coordenação de Michèle Doucet, Marie-Sophie Boulan Musée de Marseille, Reúnion des Musée Nationaux, Marseille
ROSENTHAL, Mark (2004), Joseph Beuys – actions, vitrines, environments, Tate publishing, London
OBRIST, Hans Ulrich (2014), Mapping it out, Thames and Hudson, London
ONO, Yoko (2000), Grapefruit: a book of instructions + drawings, Simon & Shuster, New York
THE MUSEUM OF CONTEMPORARY ART (1998), Out of actions – between performance and the object 1949-1979, coordenação de Russell Ferguson, The Museum of Contemporary Art, Thames and Hudson, London
Schechner, Richard (2002). Performance Studies: an Introduction. London and New York: Routledge.
SOUSA, Claudia Amandi de (2010), Funções e tarefas do desenho no processo criativo [tese de doutoramento], Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto
TSCHUMI, Bernard (1996), Architecture and Disjunction, The MIT Press, Cambridge, Mass